>

967941517,923Kg

CO2 emitido pelos vedantes artificiais

desde: 01/01/2013

2084516198,57Kg

CO2 absorvido pelas rolhas de cortiça

desde: 01/01/2013

Para mais informações por favor clique aqui
  • Quantos descortiçamentos podem ser feitos a um sobreiro?

    Ao longo da sua vida, o sobreiro pode ser descortiçado cerca de 17 vezes, com intervalos de pelo menos nove anos, o que significa que a exploração de cortiça durará, em média, 150 anos.

    O primeiro descortiçamento chama-se desboia e dele obtém-se a cortiça virgem, que apresenta uma estrutura muito irregular e uma dureza que a torna difícil de trabalhar.

    Nove anos depois, aquando do segundo descortiçamento, a cortiça, designada de secundeira, já tem uma estrutura regular, menos dura.

    A cortiça destas duas primeiras extrações é imprópria para o fabrico de rolhas, sendo utilizada em aplicações para isolamentos, pavimentos, objetos decorativos, entre outros.

    A partir do terceiro descortiçamento e seguintes obtém-se a cortiça amadia ou de reprodução. Só esta apresenta uma estrutura regular, com costas e barriga lisas, e com as características ideais para a produção de rolhas naturais de qualidade.

    • Cortiça
    • Sobreiro
  • Serão os vedantes sintéticos indicados para vinhos que devem ser consumidos num período de poucos meses, uma vez que o risco de oxidação é mínimo?

    Os vinicultores poderão fornecer recomendações, mas não conseguem controlar o momento do consumo do vinho. Deverão ter a certeza de que o vedante dura até ao consumo, independentemente do momento em que será consumido.

    Os vinicultores poderão utilizar a cortiça baseando-se na certeza de que a mesma terá um bom desempenho, independentemente do momento do consumo do vinho, sem correr o risco de oxidação prematura ou odores a sulfureto associados aos outros vedantes.

    • Rolhas de cortiça versus vedantes sintéticos
    • Vinhos
    • Todas
    • Todas
    • Vinhos efervescentes e cervejas