Media Center - Notícias

  • Stefanie Costa e Paulo Castro da Universidade de Aveiro ganham primeiro prémio nos Glassberries Design Awards

    A cerimónia de entrega de prémios teve lugar pela primeira vez em Madrid, numa gala aberta ao público no Medialab-Prado.

    A BA Vidro - empresa do setor das embalagens de vidro – e a Corticeira Amorim, líder mundial na área da cortiça, entregaram na passada segunda-feira os prémios da IV edição do concurso internacional Glassberries Design Awards. Uma competição que procura premiar a inovação dos jovens designers europeus.

    Os grandes vencedores desta edição foram Stefanie Costa e Paulo Castro, alunos da Universidade de Aveiro que, com a sua proposta original para um frasco gourmet de pepino de conserva, ganharam o 1º prémio do concurso – o Golden Glassberry Award.

    A ESAD de Matosinhos venceu o segundo e terceiro prémio da competição. Maria Teresa Soares recebeu o 2º prémio do concurso - Silver Glassberry, assim como a Menção Honrosa para o melhor e mais original uso de cortiça na gama de frascos criada, promovida pela Amorim – o Cork Glassberry Award, com uma embalagem simples e elegante. Cláudia Baltarejo levou para casa o 3º prémio, o Bronze Glassberry, com uma proposta de embalagem estilizada.

    A completar os prémios, a BA Vidro atribuíu ainda um total de 6 Menções Honrosas, com destaque para o Special Honorable Glassberry para Jameny Rivera, Roni Zaslavsky e Isaac Soler Ramos, três estudantes da ELISAVA - Escuela Superior de Diseño e Ingeniería de Barcelona, em Espanha. As restantes Menções correspondentes à escolha da BA Vidro, dos seus Clientes e uma menção na área do Design e Inovação foram atribuídas à Universidade de Belas-Artes de Poznan e à Universidade de Belas-Artes de Varsóvia, na Polónia.

    Todos os prémios foram avaliados por um júri internacional composto por responsáveis da BA e da Corticeira Amorim, por clientes representativos do setor alimentar em Portugal - Adriana Maçarico, Directora Geral da Maçarico, e Nuno Saraiva, Commercial & Marketing Manager do grupo Sugal -, assim como clientes representativos deste setor em Espanha, na Polónia e na Alemanha, e por António Lacerda, presidente da AND – Associação Nacional de Designers, entre outros.
    A edição deste ano foi a mais internacional até à data e contou com a participação de 186 estudantes de universidades em Portugal, Espanha e Polónia, todos convidados pela BA para criar uma nova gama de frascos para a indústria alimentar.

    Para mais informações consulte: www.glassberriesawards.com

    08/06/2015fechar
  • Brasil: Rolha de Cortiça é sinónimo de qualidade de um vinho

    Consumidores acreditam que rolha de cortiça preserva melhor as propriedades naturais do vinho. E estão dispostos a pagar entre R$ 13,00 (4,05 €) e R$ 15,00 (4,67 €) a mais por um vinho com o vedante natural. O tipo de vedante utilizado numa garrafa vinho é, para os consumidores brasileiros, um indicador da sua qualidade, segundo o mais recente estudo da APCOR – Associação Portuguesa de Cortiça, levado a cabo pela Ibope/ Conecta neste mercado. A cortiça é considerada um material nobre que agrega valor ao vinho.

    De acordo com o estudo, o consumidor está inclusive disposto a pagar entre R$ 13,00 (4,05 €) e R$ 15,00 (4,67 €) a mais por um vinho com o vedante natural, um sinal claro da valorização do produto associada à rolha de cortiça, em comparação com outros tipos de vedante, seja o vedante de plástico ou a tampa de alumínio (screwcaps). Esta perceção estende-se também às classes etárias mais jovens. Neste âmbito, 80% dos inquiridos associa o vedante natural a vinhos de gama superior e indica a rolha de cortiça como uma solução que preserva melhor as propriedades naturais da bebida. Um fator valorizado quanto mais alta é a classe social. A classe A, por exemplo, aponta ainda a abertura da garrafa com rolha de cortiça como um momento de charme, proporcionado pela tão característica sonoridade – “pop” – que está entre os sons mais reconhecidos do mundo. Metade dos inquiridos valoriza ainda as credenciais sustentáveis da rolha de cortiça, a única opção de vedante natural, não poluente e renovável.

    EUA 94% os consumidores prefere rolha de cortiça natural (Tragon Corp)

    Itália 85% considera que a rolha de cortiça é o melhor vedante para assegurar a qualidade do vinho (AstraRicerche)

    França 89% dos apreciadores de vinho prefere a rolha de cortiça e 89,8% refere que a rolha de cortiça preserva todos os seus aromas (Ipsos)

    China 85% dos consumidores acreditam que os vinhos com cortiça são de melhor qualidade (CTR Market Research)

    Espanha 92% dos consumidores prefere a rolha de cortiça (Cork Project)

    16/02/2015fechar
  • Reciclagem de Rolhas em França reverte para a luta contra o cancro

    A Amorim Cork France recolheu, no âmbito do programa de reciclagem Ecobouchon, 46 toneladas de rolhas de cortiça, que foram recicladas e convertidas numa doação de 20 mil euros à associação francesa de luta contra o cancro, Agir Cancer Gironde. Ainda neste âmbito, foi criado, na praça Jean Jaurés, em Lyon, um painel de cortiça com 9m de altura e 7m de diâmetro, a partir de 285 mil rolhas de cortiça, que figura no Guinness World Records. Em resultado dos diversos programas de reciclagem, nos diferentes países, a Corticeira Amorim já doou milhares de euros à sociedade civil, sobretudo a instituições de luta contra o cancro e de apoio a pessoas com necessidades especiais, assim como a instituições ligadas à proteção do meio ambiente.

    29/01/2015fechar
  • Amorim Cork South Africa apoia The Cape Winemakers Guild Protégé Programme

    A Amorim Cork South Africa associou-se ao The Cape Winemakers Guild Protégé Programme, uma conceituada iniciativa de formação e mentoring para futuros enólogos e viticultores. O apoio é concretizado pela doação de uma percentagem do valor das rolhas de cortiça, adquiridas ao longo de 2015 pelos produtores de vinho membros do programa. “Enquanto empresa comprometida com a agregação de valor ao vinho e à sua imagem, a Corticeira Amorim partilha os valores de excelência e qualidade defendidos pela Cape Winemakers Guild. Com esta parceria, pretendemos contribuir ativamente para a formação de novos talentos da indústria vinícola da África do Sul que, no futuro, contribuirão para a sua reputação e excelência”, explica Joaquim Sá, Diretor Geral da Amorim Cork South Africa, que tem apoiado o projeto nos últimos quatro anos. Uma visão reforçada por Louis Strydom, presidente do Nedbank Cape Winemakers Guild Development, “a parceria entre a Amorim Cork South Africa e o CWG coloca o Programa Protégé na vanguarda de um futuro bem-sucedido e inovador para o mercado vinícola da África do Sul”. Fundado em 2006, o Programa Protégé representa uma forte aposta no desenvolvimento da indústria vitivinícola sul-africana, materializado pelo investimento na formação de profissionais de excelência.

    05/01/2015fechar
  • Um brinde à cortiça! 

    CBS News

    No alto das montanhas da região do Algarve, em Portugal, a correspondente Martha Teichner está “num local que se assemelha a uma floresta mágica e sombria, onde sobreiros de tamanho gigante crescem”; Teichner visita um produtor de rolhas, a quarta geração da família Amorim, para descobrir algumas tradições centenárias na produção de rolhas de cortiça. Vencedora de um Emmy e um Peabody, a CBS News tem um público de aproximadamente 8.338.402 todos os meses.

    07/10/2014fechar
  • Sobreiro e cortiça com papel relevante no combate às alterações climáticas

    O montado de sobro tem uma capacidade de retenção de CO2 que pode atingir as 14,7 toneladas por hectare e por ano. As conclusões são de um estudo recente do Instituto de Superior de Agronomia (ISA) e merecem especial atenção numa altura em que acaba de se realizar a Cimeira do Clima das Nações Unidas, com o objectivo de acelerar compromissos vinculativos em defesa do ambiente e, desta forma, evitar o agravamento do aquecimento global.

    O mais recente documento do Intergovernmental Panel on Climate Change (IPCC), das Nações Unidas, reitera o que há muito é defendido pela comunidade científica: o aumento nas concentrações de gases com efeito estufa na atmosfera, como o dióxido de carbono (CO2), é responsável por importantes alterações do clima, sendo que a assimilação e armazenamento de médio prazo de carbono nas florestas pode contribuir para a mitigação das emissões de dióxido de carbono de origem fóssil.

    Acompanhando um esforço mundial para quantificar o balanço de carbono, a União Europeia criou o ICOS (Integrated Carbon Observation System), a partir do qual têm sido realizados trabalhos em Portugal para quantificar a capacidade de retenção anual de carbono pelo montado.
    Por exemplo, em Évora, um montado pouco denso (cerca de 30% de cobertura por árvores) apresentou em 2006 um sequestro de 179 g de carbono por m2 e por ano (o equivalente a 6,56 toneladas de CO2 por hectare e por ano). No entanto, nos mais recentes estudos conduzidos pelo ISA, que analisaram o sequestro anual de carbono num montado em boas condições de solo e clima e com gestão florestal, foi registada uma capacidade de sequestro de 400 g de carbono por m2 e por ano, ou seja, 14,7 toneladas de CO2 por hectare anualmente.
    Extrapolando para a área mundial, as florestas de sobreiro da bacia ocidental do Mediterrâneo têm uma capacidade de retenção anual de cerca de 30,66 milhões de toneladas de CO2.

    A importância das florestas de sobro no combate às alterações climáticas há muito que é enaltecida por prestigiadas instituições internacionais, como a WWF, que no passado publicou numa parceria com o CEABN as conclusões do estudo "Sobreiro, uma barreira contra a desertificação". Segundo este, no atual quadro de alterações climáticas são previsíveis mudanças significas na cobertura vegetal do país, estando Portugal (sobretudo o Sul e o Interior do país) sob risco de desertificação. Neste contexto, é imperativo "assegurar a regeneração e vitalidade do sobreiro a sul do Tejo e a sua expansão para Norte como soluções para o combate à desertificação."

    Assunto relacionado: Atividade da Corticeira Amorim viabiliza sequestro de carbono superior a 2 milhões de toneladas de CO2

    01/10/2014fechar
  • Rolha de cortiça valoriza preço médio do vinho e é forte argumento de vendas

    De acordo com os últimos dados da AC Nielsen, relativos à evolução de venda de vinhos vedados com rolha de cortiça versus alternativos nos EUA.

    A análise da evolução de vendas do TOP 100 de marcas premium nos EUA indica que desde 2010, ano em que se iniciou o estudo, foi registado um crescimento de 30% na quota de mercado dos vinhos com rolha de cortiça, o que compara com o registo de 9% observado nos vinhos vedados com vedantes alternativos.

    Se analisadas as vendas anuais por marca, regista-se um aumento de 7% nos vinhos com rolha de cortiça relativamente ao ano anterior, praticamente duplicando o crescimento global do TOP 100 de marcas premium, na ordem dos 4%.

    De acordo com os dados da AC Nielsen, o papel da rolha de cortiça na valorização do vinho saiu reforçado no último estudo. O preço médio dos vinhos com rolha de cortiça foi de $ 12,99, um valor superior em $ 4,09 (+ 46%) ao dos vinhos vedados com vedantes alternativos.

    Evolução do preço médio de venda do TOP 100 de marcas premium de vinho, entre Agosto de 2013 e Agosto de 2014:

    16/08/201417/08/2013Diferença
    Rolha de cortiça$ 12.99$ 12.30$ 0.69   /   5.6%
    Alternativos$ 8.90$ 9.27$ -0,37   /   - 4.0%


    Carlos Jesus, director de comunicação e marketing da Corticeira Amorim, destaca que "estes números são encorajadores pois os EUA são um mercado muito relevante para o setor da cortiça e um importante definidor de tendências a nível internacional. Sendo atualmente o maior mercado mundial consumidor de vinho, estes dados são ainda mais relevantes se tivermos em conta que os EUA apresentam um grande potencial de crescimento de consumo per capita."

    Fonte: A.C. Nielsen
    Metodologia: As marcas selecionadas são as 100 maiores marcas de vinhos de mesa nacionais, de 750 ml, que apresentem maiores índices de vendas nos últimos 12 meses. As marcas premium são aquelas que, em média, custam mais de 6 dólares por garrafa no período de 12 meses. Pesquisas da Nielsen incluem todas as áreas metropolitanas dos EUA. Os resultados são relativos ao período de quatro semanas, que terminou em 16/08/2014.

    15/09/2014fechar
  • Ervideira e Corticeira Amorim apresentam Helix no El Corte Inglés

    A Ervideira, produtor vitivinícola do Alentejo, e a Corticeira Amorim apresentaram no passado dia 24 de Julho no El Corte Inglés de Lisboa a primeira inovação do Séc. XXI para packaging de vinhos. Denominado Helix e especialmente desenhado para vinhos de consumo rápido, este inovador conceito permite que, a partir do binómio vidro/ rolha de cortiça, se introduza o conceito de abertura fácil - basta usar o polegar e o indicador para retirar a rolha da garrafa.

    08/09/2014fechar